segunda-feira, 1 de outubro de 2012

À PRIMEIRA VISTA



"Mal vi teu rosto perfeito / E ele reconheceu haver-me feito / Estrago no coração."
Tomás Antônio Gonzaga


Todo mundo já sofreu de “amor à primeira vista”. Isso é mais comum do que parece. Por ser tão instantâneo e inesperado, por não depender de conhecimento prévio ou mesmo apresentação formal, mas sobretudo por ser gratuito e totalmente entregue à causalidade imanente ao tempo. Por isso, por ser algo fora dos planos, amor à primeira vista acontece o tempo todo. 

Amor à primeira vista é como aquela fotografia em que você mirou a paisagem e acertou uma imagem em primeiro plano. É como perder o ônibus. É como o favorito derrotado. O  Mar Vermelho aberto. É como a última música do lado B de um disco parecer mais bonita que todas as outras. É como Diadorim sendo mulher no fim do livro.

Ainda lembro do meu primeiro amor repentino. Devia ter uns 9 ou 10 anos. Estava na escola deitado na grama do bosque, buscando pássaros entre as folhas das árvores com um binóculo de brinquedo, daqueles supostamente aumentam 4x o campo de visão. Olhava distraído, tudo parecendo maior, quando ela apareceu, enorme, na minha frente. Era uma garota comum, tão comum que não me lembro mais da aparência dela, só do nome, Tereza. Perguntou o que eu estava olhando. Eu disse “pássaros”. Ela disse “não, você está me olhando agora”. Era verdade.

A vida é uma sucessão de amores à primeira vista. Você está correndo no Aterro do Flamengo, curtindo seu som e tentando bater seus míseros recordes pessoais e tempo e distância. Aí ela vem [em slow motion, lógico]. Camisa com a capa de um disco dos Smiths, cabelos muito pretos amarrados, tentando mudar a música do iPod enquanto corre. Até aí tudo bem. O problema é que quando ela passa por você, ela te olha e dá um sorriso discreto. Por que, Deus? Aí você a ama pra sempre até o fim daquela corrida. Senta na grama, e espera por ela no gramado. Convida pra uma água de coco. Enfim, não é sobre técnicas de conquista que eu estou falando.

Claro, há vários fatores que influenciam. Seu estado de espírito. O quanto você bebeu. Se você está no meio de “O Amor nos tempos do Cólera”, acabou de ver o último do Wood Allen, ou se tem ouvido Leonard Cohen demais. É bem provável que você esteja mais suscetível ao amor à primeira vista na galeria italiana do Louvre, do que quando em um congresso sobre gestão em Brasília. Mas não há regras. Nada pode garantir que você amará mais à primeira vista as garotas do Café com Letras, na Savassi, do que as coralistas na missa das 19h, em Santa Bárbara. 

Apesar de Veneza, não há uma geografia dos amores à primeira vista. Apesar de Bauman, não há uma sociologia dos amores líquidos e rápidos. As ciências, tão dedicadas a medir, experimentar e calcular hipóteses, ainda não se aproximaram da fórmula geradora do amor instantâneo. Como pode este acontecer tantas vezes, em tantos lugares e com pessoas tão diferentes sem que haja uma regra? Ninguém nunca explicará Romeu e Julieta, Marília e Dirceu, Heloísa e Abelardo, Você e Fulana. Aqui a blasfêmia é permitida: nem Deus ousará saber o motivo de um amor à primeira vista. 

***
Pax Tecum Amici.
Até a Próxima!

19 comentários:

  1. Texto interessantíssimo!
    Parabéns pelo blog! :)

    ResponderExcluir
  2. vivo caindo nessa e me apaixonando. é muito bom quando rola essa magia logo de cara.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto, achei muito bem escrito e tocante

    Robson Gabriel - http://perdidoempalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto.
    Amor a primeira vista acontece o tempo todo mesmo. E em questão de se apaixonar, não há coisa melhor.

    Histórias, estórias e outras polêmicas
    http://cchamun.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Cafajeste Sedentario1 de outubro de 2012 16:06

    Não acredito em amor a primeira vista. Pra mim isso é atração,sei lá,pelo menos comigo é dessa forma.

    ResponderExcluir
  6. Não acredito em amor a primeira vista,pra mim isso é atração. Sei lá,comigo sempre foi dessa forma pelo menos

    ResponderExcluir
  7. adorei o blog, parabéns! muito interessante...

    ResponderExcluir
  8. Belíssimo texto, mas não acredito em amor à primeira vista.

    ResponderExcluir
  9. Também não acredito em amor à primeira vista! Acredito q possa acontecer no máximo paixão à primeira vista! Amor só surge com a convivência!

    ResponderExcluir
  10. texto muito bom...todos já passamos por isso....bela postagem...

    ResponderExcluir
  11. adorei o jeito como descreveste o amor à primeira vista... e o "slow motion", foi 10... sempre é assim!

    ResponderExcluir
  12. Eu não sei se me apaixonei a primeira vista, não sei se pode haver um AMOR, mas grandes encantos sim, me encantei grande mente pela minha namorada, hoje sim a amo. mas independente de tudo curti a forma que vc escreve, parabéns.

    http://deixakieto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Otimo texto...
    Amor a primeira vista sempre tenho, ai passa kkkk

    Visita lá ;)
    http://celtasim-h.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Seja ouvindo Bach, tomando cafés na esquina (depois de noites mal dormidas), passeando com o cachorro na rua ou até mesmo embarcando nas gôndolas de Veneza. Estaremos suscetíveis ao amor ou amores à primeira vista!
    É verdade, que situações intimistas poderiam consentir que nos tornássemos mais aptos para este infortúnio (ou não), proposto pelo destino, ou sei lá o que podemos chamar aquilo que permite (Maktub)... No entanto, nada impede que amarremos o sapado no meio da Praça da Sé, voltemos os olhos para os vendedores de churrasquinho grego, e pum... Lá vamos nós, desviando o olhar tangencialmente... De encontro com uma pintura de Renoir.
    Amores vêm e vão, outros ficam... Mas os que se são à primeira vista, estes sim, memoráveis. E quem ousa ser oposto...
    Parabéns pelo texto e obrigada por ter comentado em meu blog...
    Kelen Gini

    ResponderExcluir
  15. O amor e suas tantas formas... Texto lindo!

    ResponderExcluir
  16. Gostei do seu blog, rapaz. Vou passar por aqui mais vezes, com certeza.

    www.monacacheada.com

    ResponderExcluir
  17. Ao chegar ao seu blog fiquei encantado por aquilo que encontrei aqui, demorei um pouco ver e ler algumas coisas, e posso dizer que seu blog está feito com bom gosto, dou-lhe os parabéns, espero vir aqui mais vezes, desejo que continue com boa imaginação, dando-nos sempre boas mensagens. Tenho um blog , O Peregrino e Servo, é um blog evangélico, mas também tem poesia culinária e mais algumas coisas. Se desejar visitar meu blog ficarei radiante.
    Deixo as minhas saúdações , e a paz de Deus para sua vida.
    Ps. Se seguir eu queria deixar um conselho, só sigo os blogs que consigo encontrar. Por isso se deseja que eu siga seu blog, é melhor deixar forma de encontrar o seu blog.
    António.

    ResponderExcluir

Comente à vontade, contanto que prime pelo bom uso do imperativo categórico Kantiano: "Não faça com os outros que aquilo que você não gostaria que fosse feito com você";. Assim Seja. Pelos Séculos dos Séculos. Amém.