terça-feira, 17 de julho de 2012

HELENA DE TRÓIA EM 1997


Ele gostava de passar as tardes na biblioteca pública. Lá se dedicava a pesquisar biografias de personagens da Antiguidade na, agora extinta, Encyclopaedia Britannica. Era um programa pouco convencional para um adolescente nos idos daquele ensolarado 1997. Ao contrário do que se possa pensar, não era um nerd. Não no sentido estrito da palavra. Dividia seu tempo entre os treinos de futebol no famigerado União Sport Club, protestos contra a privatização da Vale do Rio Doce e infinitas sabatinas com amigos que se reuniam para ouvir britpop e jogar campeonatos de futebol no Super Nintendo. Tinha até namorada, uma garota católica-carismática que considerava beijo de língua pecado mortal. Era quase satisfeito com a própria vida, algo raro aos dezesseis.
Naquele dia estava mais disperso do que de costume. Tentava se concentrar na vida do “imperador filósofo” Marco Aurélio, mas a fonte pequena da Britânica associada ao  barulho de crianças que adentraram o recinto como que no recreio do inferno, fizeram com que ele fechasse o livro e começasse a se erguer para partir. Foi quando veio o silêncio. Sempre que algo muito importante vai acontecer há um segundo de silêncio que demora horas (acho que vi essa frase num filme). Naquele instante, nem um suspiro de criança era audível, a atmosfera parecia ter sido tomada uma espécie de mormaço que fazia tudo acontecer em câmera lenta. A primeira coisa que viu foram os olhos dela. Dois faróis azuis capazes de iluminar o mundo inteiro se necessário. Depois, só depois viu que era uma garota. Linda. Loira, lábios carnudos, vestidinho branco e florido, cheirando a leite de rosas. Ela era o que se pode ter de mais próximo a um anjo aqui na terra. Um anjo com fones de ouvido, ligados a um Walkman vermelho. O “posso me sentar?” dela soou como um acorde da Primavera de Vivaldi. Nem foi preciso responder.
Perguntou o que ele estava lendo. Ele estava muito embasbacado para responder. Queria saber o nome dela. Ela disse, Helena. Helena de Tróia, ele pensou. Conversaram, ela tinha dezenove. Estudava artes cênicas em Ouro Preto e trabalhava na joalheiria. Não sabia o que dizer a ela. Bastava admira-la, ouvi-la. Ela disse que já o tinha visto várias vezes na biblioteca e sempre teve curiosidade para saber o que ele tanto procurava por detras daqueles pesados volumes de enciclopédia. Biografias, respondeu. E mentiu em seguida, “hoje estou lendo sobre Páris, filho do rei Príamo”... E ela completou: “que sequestrou Helena e causou a guerra mais romântica de todos os tempos”. Não sabia o que responder. Quando ela completou: “Conheçe Pixies?”, ele só conseguir dizer “não”. Impossível não ser monossilábico perante uma deusa. Ela tirou um dos fones de ouvido e colocou no ouvido dele. Estava tocando Where is my mind e era o momento mais feliz de sua vida até então. 
Saiu da biblioteca com a sensação de que seria capaz de conquistar qualquer mulher do mundo. Olhou-se no espelho e era mais bonito que Tom Cruise, segundo seu próprio julgamento. A noite, jogou uma pelada com os amigos. Com a autoestima acima do céu, fez tantos gols que perdeu a conta. Chegou em casa, foi dormir sorrindo. Sua indelével alegria durou até às 7h10min do outro dia. Quando sentou em sua cadeira, no fundo da sala 113 do Grupo Escolar Affonso Penna, sua namorada, sem expressão na face e sem dizer palavra, entregou-lhe um bilhete. Abriu como quem espera uma declaração de amor matinal, em lugar disso leu: “TE ODEIO PRA SEMPRE. NUNCA MAIS FALE COMIGO”. Releu aquelas letras cavalares umas dez vezes, até o professor de Biologia perguntar o que havia de interessante alí. “Nada”, respondeu secamente. Dobrou o bilhete, guardou no bolso da calça, e ali decidiu. “Vou para BH, cidade pequena nunca mais”.

25 comentários:

  1. A felicidade está aonde menos imaginamos...

    ResponderExcluir
  2. gostei bastante do texto rs

    alô BH!!!1

    ResponderExcluir
  3. Nossa. Coitado foi vitima de fofoca e mexericos? O seu texto não é interessante, ele é ótimo. E esse menino de tanto ler a antiguidade em obras, a sua vida se tornou tão altamente cheia de adrenalina como as guerras da própria antiguidade..
    Rsrsr...Gostei muito!
    Meu nome é Wíllivan Carsan, o escritor de brinquedo e dono do EDB:
    http://escritordebrinquedo.blogspot.com.br/
    NO QUAL ESPERO SUA VISITA....
    Até logo!
    Olha....amei a sua frase sobre o comentário, ela instiga aqueles que não leram o texto a pensar, ler realmente o texto e escrever um comentários descente....Vou copiar...Rsrsrsr...Brincadeira, mas vou pensar em algo parecido!

    ResponderExcluir
  4. Adorei, Adriano; ser quase satisfeito com a própria vida é um perigo, quando o "quase" abre espaço para Helenas que trazem guerra. ;-) Obrigadíssima por sua visita e comentário no Lugarzito! Grande abraço, seja sempre montão bem-vindo! Sucesso!!

    ResponderExcluir
  5. Realmente...Fernanda tem razão...As duas Helenas, foram, com toda a sua forma encantante de ser, e uma magia que provinha dos interiores e externava beleza e passividade; objetos de guerra.

    ResponderExcluir
  6. Olá
    depois dessa pararia de ler estes tipos de livros rsrsrs e partiria para os suspenses. E nada de dar trela para lindas loiras que por acaso aparecessem na biblioteca rsrsrs
    gde abrsrsrs
    http://fernu5083.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Adorei o clima do texto, biblioteca, paixão, tem um quê de literatura clássica, coisa que não vejo muito pelos blogs. Gostei do conteúdo do blog Parabéns!
    http://pitadadecinema.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. interessante mesmo o texto..e por mais que eu tente meu blog nunca fica com uma aparencia bacana..buááá!!!

    ResponderExcluir
  9. E de tanto mergulhar nos livros, ele acabou trazendo a história pra sua vida...
    Perigoso porém instigante :)

    ResponderExcluir
  10. Eu também tenho essa mania de enxergar em pessoas personagens de livros. Ou, então, criar apartir delas. É legal.

    ResponderExcluir
  11. não acredito em transportar coisas de livro para minha realidade..mas comparo muito pessoas reais com ficcionais..

    ResponderExcluir
  12. Adorei o texto, muito interessante! Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  13. alem disso o carinha tmb quer demais ne não so de vida boa..dancou no fim..kkkk!!

    ResponderExcluir
  14. texto muito bom....leitura agradável...

    ResponderExcluir
  15. Uau.
    Caralho mano, tu escreve bem pacas, de uma maneira que prende a gente.
    Agora, falando do texto. Assim como o personagem que ta parecendo mais um “eu lírico “ do que qualquer coisa.
    Eu me identifiquei um pouco com as características “Nerd de Araque”, que é obcecado por história e futebol, de vez em nunca ta com uma namorada e assim se segue a vida.
    E pesquisar sobre biografias antigas é algo extremamente cativante. Eu no blog, me obriguei a escrever um post diário, e hoje me vi escrevendo sobre Astrologia, logo um cético como eu.
    Mas enfim, ficamos perplexos quando coisas assim acontecem.
    E o complicado de cidade pequena é o pensamento pequeno, ninguém entende que conhecer uma nova pessoa não é nada a mais e assim por diante.
    Ótimo texto, sem mais.

    ResponderExcluir
  16. Ah = Precisava comentar também = Se fudeu com a namorada haha

    ResponderExcluir
  17. Helena de Troia veio mesmo como um presente de Gregos, mas ela bem que poderia ficar com ele no final...
    Amo romance e história antiga, mas prefiro as que tem finais felizes com um pouco de drama no meio. ^^

    ótimo blog!

    se der, visita o meu tá ;)

    http://meninofabuloso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. São bastante interessantes esses blogs de pessoas inteligentes e interessantes. Parabéns!

    ResponderExcluir
  19. São bastante interessantes esses blogs de pessoas inteligentes e interessantes. Parabéns!

    ResponderExcluir
  20. Olha só o que a literatura é capaz de fazer ehehehe... Belo texto!

    ResponderExcluir
  21. uau, fascinante! Inclusive a parte do silêncio que descreve de forma poética!

    bjkssssssssss

    ResponderExcluir

Comente à vontade, contanto que prime pelo bom uso do imperativo categórico Kantiano: "Não faça com os outros que aquilo que você não gostaria que fosse feito com você";. Assim Seja. Pelos Séculos dos Séculos. Amém.