quinta-feira, 1 de maio de 2008

AS "BARROCOLAGENS" DE AFFONSO ÁVILA

Dúvida não há, Affonso Ávila, mineiro da capital, é um dos mais importantes poetas da segunda metade do séc. XX. Este inveterado vanguardista, deveras não faz parte do primeiro contingente de poetas mais conhecidos no Brasil. Isso provavelmente se deve à complexidade poética atingida por sua obra. Por não se conformar com os modelos prontos, durante muito tempo, sua poesia pareceu estranha aos olhos acostumados às rimas fáceis de poetas antigos. O novo sempre dói a vista.

Desde o lançamento de O açude e sonetos da descoberta (1953) até o recente Cantigas do falso Alfonso el sabio (2006) sua poesia sempre se distinguiu pela capacidade reinventiva, tanto da sua própria obra como da de outros grandes literatos de épocas passadas.

barrocoDa vasta obra poética de Affonso Ávila, destacaremos aqui suas Barrocolagens (1981). Nestas "colagens barrocas", o autor remonta fragmentos textuais de importantes figuras do período Barroco, por meio de poemas discursivos. Assim, lançando mão de uma operação quase milagrosa de palavras soltas em páginas antigas, Antonio Vieira, Luís de Góngorra, Juan de la Cruz e outros tantos passam a dialogar poéticamente sob a atenta mediação de Affonso Ávila, cujo maior mérito reside na capacidade de unir o espírito científico do pesquisador ao espírito criador do poeta.

Nas Barrocolagens, o passado perde a categoria espectral que lhe foi relegada pela mentalidade ultra-imediatista dos tempos atuais - onde o passado é apenas um fantasma que nos assombra - e ganha natureza criativa sonhada por J. L. Borges - aqui o passado é visto como precursor do futuro.

Conforme disse Tristão de Athayde, "Affonso Ávila é uma daquelas raras personalidades cuja vocação está imersa na capacidade de abrir novos rumos para a humanidade". E as Barrocolagens não escapam a essa máxima. Seus poemas, encharcados de um passado quase esquecido por nós, são capazes de nos sinalizar bons caminhos para o futuro.

Segue a primeira parte do poema "Os remédios do amor e o amor sem remédios", na qual se encontra o primeiro de quatro remédios para o amor. Se quiser ver os outros três, vide as Barrocolagens do Affonso! (p. 147-148)

Obs: O texto em "caixa alta", a estranha grafia de algumas palavras e a organização singular dos parágrafos configuram-se como herança da versão original do texto de 1981 .

***
1
OS REMÉDIOS DO AMOR E O AMOR SEM REMÉDIOS SÃO AS
QUATRO COISAS E UMA SÓ
O PRIMEIRO REMÉDIO É o TEMPO
TUDO CURA O TEMPO, TUDO FAZ ESQUECER, TUDO GASTA,
TUDO DIGERE, TUDO ACABA,
ATREVE-SE O TEMPO A COLUNAS DE MÁRMORE, QUANTO
MAIS A CORAÇÕES DE CERA?
SÃO AS AFEIÇÕES COMO AS VIDAS, QUE NÃO HÁ MAIS CERTO
SINAL DE HAVEREM DE DURAR POUCO, QUE TEREM DURADO MUITO
SÃO COMO AS LINHAS QUE PARTEM DO CENTRO PARA A
CIRCUNFERÊNCIA, QUE QUANTO MAIS CONTINUADAS,
TANTO MENOS UNIDAS
POR ISSO OS ANTIGOS SABIDAMENTE PINTARAM O AMOR
MENINO, PORQUE NÃO HÁ AMOR TÃO ROBUSTO QUE
CHEGUE A SER VELHO
DE TODOS OS INSTRUMENTOS COM QUE O ARMOU A
NATUREZA, O DESARMA O TEMPO
AFROUXA-LHE O ARCO, COM QUE JÁ NÃO ATIRA
EMBOTA-LHE AS SETAS, COM QUE JÁ NÃO FERE
ABRE-LHE OS OLHOS, COM QUE VÊ O QUE NÃO VIA
E FAZ-LHE CRESCER AS ASAS, COM QUE VOA E FOGE
Y SOLO DE EL AMOR QUEDA EL VENENO.

***
Pax tecum amici!
No próximo post talvez nos visite Henriqueta Lisboa. Talvez.

38 comentários:

  1. Sou leiga nesse assunto e portanto não posso dar um comentário embasado.
    Mas o poema achei muito bonito e completamente verdadeiro.
    Não há nada que o tempo não cure,nem apague!
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. adoro blogs cultos,adorei o conteudo literario nele.e as dicas de livros,
    parabenss

    ResponderExcluir
  3. muito boas dicas....
    adorei o blog todo...
    voltarei..


    www.daniilopes.blogspot.com
    passa la

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante essa tua proposta, gostei!

    aproveito para divulgar o meu:

    bookstealer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. 'O poema essa estranha máscara mais verdadeira do que a própria face.'
    Mário Quintana
    parabéns pelo culto e erudito post.

    ResponderExcluir
  6. Bom poema.

    Acho que o que o separa do sucesso é estar vivo. Artistas só são cultuados depois de mortos. =/

    ResponderExcluir
  7. Belo começo...
    Vamos fazer parceria?
    Vc add meu banner e eu add seu link ou banner no meu blog.

    ResponderExcluir
  8. Sim, sim.
    Affonso A. é daqueles poetas que, contraculturalmente, expuseram seu texto e, somente mais tarde, terão o reconhecimento?
    Pode ser.
    a literatura brasileira é pródiga em casos assim: Kilkerry, dos Anjos, Sousândrade (claro que consideradas as proporcões).
    A questão é que um blog como o seu prcisa de mais alcance, já que é de uma funcionalidade rara: a divulgação de autores cuja obscuridade não deveria haver.
    Valeu.

    ResponderExcluir
  9. Um excelente ideia,dividir com os leitores do seu blog bons livros. Existem muitos escritores bons por ai da nossa cultura que ninguem nem fica sabendo, vou com certeza ler as proximas dicas

    ResponderExcluir
  10. Gostei do blog, o layout ta muito legal!

    Abraços!

    http://wallnosekai.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Adorei o blog

    pow muito bom!

    bunito e td mais

    quer parceria?

    ResponderExcluir
  12. ..FAZ-LHE CRESCER AS ASAS, COM QUE VOA E FOGe..:)
    Gostei!!!
    adorei a idéia do post literário!!
    privelegia as poesias??

    ResponderExcluir
  13. cara teu blog ta perfeito,designer está bellisimo e o contéudo está maravilhoso,parabéns.

    ResponderExcluir
  14. ando por aqui de novo...
    adoro seu blog...

    www.daniilopes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. otimas dicas
    otimo blog
    texto dukaraleo!!!

    ResponderExcluir
  16. puxa muito obrigada pelo comentairo... estrá em minha lista de favoritos tambem...

    www.daniilopes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. ALGUNS COMENTÁRIOS

    Dragus: claro que o reconhecimento dos artistas muitas vezes é tardio, haja vista Van Gogh - que só vendeu um quadro enquanto vivo. Mas temos vários exemplos que grandes gênios reconhecidos ainda vivos...

    Natália: este blog é de natureza, cultual. Por esta época, decidi escrever sobre livros e poetas obscuros, mas se olhares os posts anteriores verás alguma coisa sobre cinema, arte...

    "Blog": para que um blog como esse tenha algum alcançe é preciso que haja divulgação, não tenho tempo nem paciência, em todo caso, continuarei escrevendo, por prazer, teimosia e pela manutenção de minha saúde mental...

    ResponderExcluir
  18. belo texto
    e bom ver q alem de blog d zuera e tals tem blog serios e com cultura verdadeira

    da um look no meu blog tbm
    http://culturatups.blogspot.com/


    abraços

    ResponderExcluir
  19. Este poeta não conhecia.
    Nunca nem tinha ouvido falar.
    Ficarei mais atento a isso. E ao seu blog também!

    ResponderExcluir
  20. Vou ser sincera: post longo demais!
    Depois de ler, voltarei para comentar.
    :-)

    ResponderExcluir
  21. Interessante o blog, parabéns!

    www.blogbyvinny.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Olá...
    Ótimo blog por aqui...
    Umaviagem ao Obscuro Mineiro, belo e informativo post, por aqui vou aportar sempre...
    Adorei a experiencia de conhecer Affonso Ávila...
    Parabéns!
    Abraços
    Everaldo Ygor
    http://outrasandancas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. concordo com o "feliciano silva"..

    tbm me amarro em blogs cultos...
    realmente o conteudo do teu blog ta perfeito...
    parabens

    http://jheison16.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  25. parabens pelo blog , mt bom. so acho q vc deveria postar mais

    ResponderExcluir
  26. bom ver blogs que abordam temas assim
    bem culto
    parabens

    ResponderExcluir
  27. Essa blogosfera tem surpreendido. A cada dia que passa me proporciona conhecer pessoas, coisas que não sabia que existiam.
    Parabéns pelo blog!

    http://maynabuco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Não conhecia nada disso.
    Interessante.

    Blog bacana ;)

    ResponderExcluir
  29. Seria o amor o elixir da vida ou veneno tão mortal quanto cicuta..
    estamos descobrindo isto e relatando em nosso blog...
    tem postagem fresquinha, tando afim, passa lá!
    ;D

    ResponderExcluir
  30. Bacana dessa comunidade está sendo poder conhecer pessoas diferentes que têm um trabalho bom. Tem muita gente nova surgindo por aí. Nova no sentido de ser nova no cenário cultural. Você escreve muito bem. Muitos blogs são apenas extensão do bate-papo que rola na internet. A linguagem é pobre ou sem muita imaginação, tipo naum, hauahahaueu e coisas sem muito interesse.
    Artistas de verdade são poucos!
    Vejo que muitos jornalistas estão iniciando seus projetos nos blogs. Dou a maior força. Nos anos 60 e 70 tinham os mimeógrafos. Agora tem a internet. O suporte mudou e possiblita novas e ousadas formas.
    Um abraço!!

    ResponderExcluir
  31. nossa, fiquei curiosíssima pra ler mais do cara... será que encontro em porto alegre?!

    ResponderExcluir
  32. Não conheço os poetas mineiros, mas fiquei encantada com a poesia.
    Valeu a dica!

    Beijos da gaúcha
    Fada

    ResponderExcluir
  33. Postagem muito culto, cara. Não entendi muita coisa não, mais pelo menos li até o final.

    Por eu não ter entendido muita coisa, me abstenho de comentar, pq poser ser eu fale besteira.

    Vamo que vamo! Passa lá no Arroto para prestigiar!

    ResponderExcluir
  34. Muito, muito bom :)

    ResponderExcluir
  35. Adoro esse seu formato. Texto infomativo e depois um poema do autor que você comentou. Qualidade absoluta. Gostei muito de tudo.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  36. ótimo texto, to seguindo o blog...


    parabens!

    ResponderExcluir
  37. São muitos artistas excelentes que ficam desconhecidos por não conseguirem emplacar algo de sucesso na mídia nacional...é uma pena pois nós ficamos sempre com os mesmos e não temos como ler, ver e escutar coisas novas.

    ResponderExcluir

Comente à vontade, contanto que prime pelo bom uso do imperativo categórico Kantiano: "Não faça com os outros que aquilo que você não gostaria que fosse feito com você";. Assim Seja. Pelos Séculos dos Séculos. Amém.